BIOGRAFIA DO POETA

BIOGRAFIA DO POETA

Merlânio Maia, poeta desde menino, lida com versos e canções desde a mais tenra idade. Teve sua iniciação, lá na cidade de Itaporanga, no sertão paraibano, onde nasceu e cresceu ouvindo os cantadores, emboladores, declamadores, poetas e cordelistas, quando aportavam nas feiras e na rádio local.
Seu pai, Natércio Maia era um declamador de toda obra do poeta Zé da Luz e frequentava as rádios e terreiros dos sítios levando esta poética fabulosa.
E é nesse contexto que o poetinha se apaixonou pela cultura popular brasileira.
Ali mesmo sua verve desenvolveu na infância, onde declamava poemas na escola e para os amigos.
Na adolescência escrevia poemas e glosava com motes conhecidos e escrevia os causos da cidade em Cordel.
No final dos anos 70 vai estudar no Colégio Lyceu Paraibano, na Capital João Pessoa/PB. E é nesse contexto que tem contato com o Teatro e se inicia na arte dramática, encontra nos Sebos Culturais as obras literárias dos poetas brasileiros, especialmente os nordestinos. E começa a ler Castro Alves, Patativa do Assaré, Pompílio Diniz, Jansen Filho e, ali mesmo no Lyceu Paraibano se integra ao Grupo Folclórico do Lyceu, sob a batuta de Dona Dinalva França, Dona Didi.  Com o Grupo, faz apresentações e viaja para outras cidades e estados levando a nossa cultura.
Em 1980 vai trabalhar no Banorte-Banco Nacional do Norte e dedica-se mais fortemente a atuar como ator e a escrever peças de teatro e poemas, que mais tarde seria sua paixão do dia a dia, a poesia popular nordestina.
Em 1982 passa no vestibular para Bacharelado em Filosofia, mas não continua atuando e escrevendo peças para grupos de teatro.
Em 1987 se casa com Raquel Maia e em 1993 lança seu primeiro livro CANTANDO E CONTANDO HISTÓRIAS o primeiro de uma série de oito livros de poemas.
Lança seis CDs de músicas e poesias nordestinas e prepara um Show de poesia que apresenta os poetas da sua Paraíba: Zé da Luz, Pompílio Diniz, Daudeth Bandeira, Chico Pedrosa e é a partir daí que sai viajando e fazendo Shows, inicialmente pelo movimento espírita e depois em Teatros e Congressos e Seminários.
Até hoje, o poetinha tem levado esta cultura bela e forte através da verve da declamação e escrita. Tem vários Cordéis lançados, oito livros e está prepara do mais dois livros de poesia e agora prepara o Show Sertão Vivo onde estará muito em breve viajando e fazendo festa.

BIOGRAFIA EM VERSO

Nasci no Sertão me criei sertanejo
Foi Itaporanga o meu berço querido,
Sou paraibano, meu canto é sentido,
Igual o que sinto, o que ouço, o que vejo,
Nordestinidade é canto que festejo
Deixando a viola me hipnotizar
Seu canto de encanto fez-me apaixonar
De lá até hoje meu verso é um emblema
Levando o Nordeste dentro de um poema
Trazendo o Sertão para a beira do mar!

Repente, embolada, pugna, poesia,
Os cocos de roda, mazurca e baião,
Forró pé de serra com xote e rojão,
Aboio dolente, ou viola vadia,
Cordel declamado de noite e de dia
Foi a educação do meu pré-escolar
O banco da escola foi pra completar
Pois tudo que eu tenho a poesia me deu
De verso em cascata o meu peito se encheu
Cantando galope na beira do mar!


CRONOLOGIA BIOGRÁFICA DO POETA MERLÂNIO MAIA


2015 

- Lança o CD "POETAS DO MEU APREÇO", disseminando poemas de poetas paraibanos como Daudeth Bandeira, Zé da Luz, Amazan, Pompílio Diniz e Chico Pedrosa. E a crônica em poesia destes poetas é declamado por Merlânio Maia.

2014

- Idealiza e Produz o Projeto Forró da CAIXA em parceria com a APCEF/PB em cuja sede todas as últimas Sextas-feiras de cada mês se faz um grande Show de Poesia e Forró com artistas da terra e artistas de renome. O Projeto Forró da CAIXA está no seu segundo ano mantendo viva a Identidade Cultural Nordestina.

- Lança o CD "POEMAS DE AMOR E RISO", em que o poeta declama seus poemas de Cordel que contam histórias engraçadas.

2013 

- Lançamento do Livro "CARIDADE E OUTROS POEMAS", livro de poemas voltados a doação universal fraterna, onde a caridade está em todos os poemas de forma velada ou como mote. Um doce livro de amor ao semelhante;

2012 

- Cria com alguns músicos amigos a Banda Cavalo Crioulo para produzir e cantar músicas autorais e de grandes artistas nordestinos como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Dominguinhos, Antonio Barros e Cecéu, Maciel Melo, Petrúcio Amorim, Gordurinha entre outros e passa a fazer Shows pelo Nordeste com a Banda.

2012 

- Lançamento do Livro "POIESIS DE UM CANTADOR", um livro de cantoria de paz e amor e de crença e engajamento ao semelhante;

2011 

- Lançamento do Livro "MENESTREL - O CONTADOR DE HISTÓRIAS", um livro de poemas que contam os causos mais pitorescos, bem humorados, mas todos com tendo a Paz por pano de fundo;

2010 

- Lançamento do Livro "CONTOS CAUSOS E POESIA DE CHICO AMOR XAVIER", onde o poeta usa-se da verve poética para contar os causos mais pitorescos e cheios de lições do amado médium mineiro Francisco Cândido Xavier. Este livro faz parte das homenagens do centenário do grande médium mineiro;

2009 

- Lançamento do CD "CANTORIA DE LUZ" com Festa no auditório da FEPB-Federação Espírita Paraibana;

2006 

- Lançamento da segunda Edição do Livro "CORDEL DE LUZ";

2005 

- Deixa a UNIMED e vai gerenciar a Seguradora CAPEMI, agência Paraíba;

2003 

- Lançamentodo Livro "Poesia que Canto e Conto", livro de poemas pela Editora EDICORDEL;

2002 

- Participa do Livro "ALTERIDADE A DIFERENÇA QUE SOMA", editado pela ABRADE Associação dos Divulgadores da Doutrina Espírita, com o ensaio Arte e Alteridade. Livro de ensaios sobre Alteridade;

2001 

- Lançamento da segunda edição do Livro "Cantando e Contando Histórias", pois a primeira edição havia se esgotado;

2000 

- Lançamento do CD "Cordel de Luz" de poemas declamados;

Cria em João Pessoa e engaja-se à ONG MOVPAZ - Movimento Internacional Pela Paz e Não-violência ao lado de Almir Laureano, Clóvis Nunes, Nando Cordel, Claudio Junior, Francisco Souto, Aderaldo Martins e outros. A partir deste ano a ONG mobiliza toda a cidade nas Grandes Caminhadas Pela Paz, com prticipação de grandes artistas nacionais e aqui, conhece e se aproxima de Geraldo Azevedo, Nando Cordel, Dominguinhos, Márcia Porto, Belchior, Carlos Pitta e tantos outros ligados ao movimento internacional pela Paz. A partir deste ano sua poética destina-se a educação pela Paz e Não-violência ativa. Nascem poemas como PAZEANDO, DESARME-SE, ORAÇÃO À MÃE TERRA, MEU CREDO e outros linkados a este tema;

1999 

- Lançamento da primeira edição do Livro "Cordel de Luz", livro de poema popular;

1998 

- Nasce seu filho Murilo de Assis Maia;

1997 

- Lançamento do CD de poemas declamados do livro "Cantando e contando histórias" com o mesmo título do livro;

1996 - Lançamento do CD "MEU SERTÃO CHEIO DE GRAÇA" com poemas autorais declamados contando toda uma vivência sertaneja através da poesia nordestina, cabobla e matuta;

1995 

- Edita o primeiro Livro "CANTANDO E CONTANDO HISTÓRIAS", livro de poemas e cordel e faz o lançamento no Teatro Santa Rosa com um Show dividindo o palco com o Grupo Acorde, grupo esta, que estava se iniciando no meio espírita. Foi tão grande o sucesso do lançamento que as pessoas sentaram-se no chão, outras assistiram ao Show de pé, pois que não havia mais lugar nas poltronas do teatro;

Nesse ano, emprega-se na UNIMED, empresa de plano de saúde na capital paraibana, onde permanece por dez anos;

1994 

- Produz outras edições do CORDEL ESPÍRITA chegando a doze livretos contendo vários cordéis, cada, todos patrocinado por amigos empresários;

- Neste ano, sua empresa abre falência em virtude de ações de privatizações das Teles pelo governo federal e passa por grandes dificuldades financeiras que chega a morar na casa da sogra;

- Cria o "Projeto BONECO DE LATA", cujo objetivo é levar Arte para as crianças e adultos do Hospital Napoleão Laureano, hospital de tratamento de câncer em João Pessoa/PB

1993 

- Lançamento do Cordel Espírita, gênero criado por ele mesmo, pois a partir dali produziria poemas de causos espíritas e começa a fazer palestras-shows pelo Nordeste inteiro;


1992 

- Nasce sua filha Mayara Raquel de Assis Maia;

1991 

- Deixa o Moinho Cabedelo e se associa com seu irmão na empresa TELETRON, empresa de prestação de serviços as companhias Telefônicas;

1990 

- Nasce Merlânio Filho no mês de março;

- No dia 12 de outubro seu pai, Natércio Maia Barbosa, é vitimado por um infarto no miocárdio, chegando a falecer;

1989 

- Vai trabalhar no MOINHO CABEDELO, onde ocupa o cargo de sub-gerente de vendas;

1988 

- Caso curioso é que o poeta é demitido do BANORTE por pura segregação de crença. O fato de ser espírita afetou a relação com o novo gerente que tinha por crença o protestantismo, e como gestor daquele Banco, não admitia espíritas como funcionários;

1987 

- Casa-se com Raquel Maia com quem tem três filhos: Merlânio Filho, Mayara Raquel e Murilo Maia, todos dedicam a infância e adolescência ao aprendizado de música e tocam diversos instrumentos;

1986 

- Dedica-se ao aprendizado de violão de forma auto-didata;

1985 

- Conhece Maria Raquel de Assis Lima com quem mais tarde vai se casar, assumindo o nome de Raquel Maia. Sob a influência de Raquel transfere-se para a União Espírita e ali conhece a MEBEM  Mocidade espírita Bezerra de Menezes e vai escrever peças e compor músicas para o movimento jovem espírita paraibano.

- Nesta época ingressa-se na CAFELMA-Caravana da Fraternidade Espírita Leopoldo Machado e inicia sua produção poética e dramática. Conhece na CAFELMA o poeta José Brasil que o inspira a dedicar-se a poesia;

1982 

- Torna-se Espírita ao conhecer o Grupo de Jovem da Federação Espírita Paraibana. Artista, dramaturgo e músico, se dedica a fomentar a Arte Espírita. Ali conhece Marco Lima, jovem músico, com quem passa a ter uma grande amizade e parceria musical que vai durar a vida toda. Com Marco compõe sua CIRANDA DA PAZ entre outras músicas;

1980 

- Faz vestibular, mas não é aprovado.

- Começa a trabalhar no BANORTE Banco Nacional do Norte;

- Se engaja ao Grupo de Teatro amador MUEIC no Teatro Santa Rosa em João Pessoa. Ali escreve algumas peças de dramaturgia e atua em vários outros espetáculos;

1979 

- Vai morar na capital do estado da Paraíba e concluir seus estudos do segundo grau no Colégio Lyceu Paraibano. Ali participa do Grupo de Danças Folclóricas, cuja regente era Dona Dinalva, canta no Coral do Lyceu Paraibano e participa do Grupo de Teatro do Colégio;


1976 

- Por não ser oferecido o curso científico, transfere-se para o Colégio Padre Diniz, na sua cidade para fazer o segundo grau ou científico, como era chamado, lá passa a ser instrutor da Banda Marcial tocando Clarim;

1971 

- Vai cursar a quinta série no Ginasio Diocesano Dom João da Mata e, no mesmo ano, entra para a Banda Filarmonica Dom João da Mata, cujos maestros eram Sargento Severino Ferreira e Bebé de Natércio, daquela instituição tocando trompa, mais tarde se inicia no trompete;

1970 

- Desde muito criança sua paixão eram os poemas, escreve seu primeiro poema, um decassílabo com estrofes de quatro versos e com quatro estrofes;

1966 

- Inicia seus estudos do curso fundamental no Grupo Simeão Leal;


1961 

- Merlânio Maia, nasce sem parteira a sós com sua mãe Helena, na cidade de Itaporanga, alto sertão paraibano de uma família pobre e simples. Seu Pai Natércio Maia Barbosa, poeta declamador, brilhante por seus causos vividos e contados. Um homem de fibra, forte, aventureiro, amansador de burro brabo e exímio atirador, respeitado naquelas terras; sua mãe Margarida Helena Barbosa, uma santa em todas as possibilidades, otimista por natureza sempre tinha solução para tudo e contadeira de histórias sem igual, além de cantadeira das cantigas dos tempos dos escravos.

Nenhum comentário: